P.E.C. Nº 172: Rali de Portugal/1997; anos de ouro...



A P.E.C. Nº 20 deste blogue, relativa à edição do Rali de Portugal disputada em 1998, é a que, de entre todas que realizámos em cerca de dois anos e meio, regista maior número de visitas. 

Inspira-nos saber que o passado da prova suscita tanto interesse, quer no nosso país, quer pelos vistos em diversos outros pontos do globo. 

Nessa medida, recuperámos a ideia (também desenvolvida na P.E.C. Nº 167) e fomos de encontro à trigésima primeira edição do evento, realizada um ano antes. 

Em 1997 o Rali de Portugal encontrava-se em processo de readaptação

A matriz bicéfala, mesclada de etapas em asfalto e terra, por imperativos vários havia terminado em 1994. 

No âmbito da rotatividade que a FIA à altura propunha, um ano antes, em 1996, a prova não fez parte do elenco de Ralis pontuáveis para o campeonato do mundo, ‘apenas’ contando nesse âmbito para a F2. 

A edição de 1997 era, portanto, a segunda ocasião em que o Rali de Portugal, agora de novo equipado com as cores do mundial, se dedicava em regime de exclusividade ao trabalho em gravilha. 

O ACP, sabedor dessa nuance, apostou na cidade da Figueira da Foz como centro nevrálgico da prova, desenhando o evento na zona interior do centro e norte do país, sem perder de vista referências incontornáveis como Arganil, Fafe ou Viseu

A lista de inscritos era verdadeiramente premium

Nas verificações técnicas e documentais antes do evento, e previamente ao exame pela multidão de entusiastas que seguia o Rali, tiravam senha nomes como Makinen, McRae, Burns, Sainz, Gronholm, Rovanpera, Schwarz, Eriksson ou Loix

Na fila colocavam-se também ordeiramente os nossos rapazes: entre outros, Peres, Adruzilo, Macedo, Azeredo, Campos, Louro, Franco, Leal, Pascoal, Calisto, e Madeira

Sobretudo... Madeira

Rui Madeira

Acompanhado pelo eterno Nuno Rodrigues da Silva e embalado pela magnifica vitória obtida um ano antes (sem esquecer o triunfo na Taça FIA de grupo ‘N’ em 1995), o piloto de Almada arquitetava por esta altura uma carreira internacional. 

O Rali de Portugal em 1997 afirmava-se, pois, como uma montra privilegiada para mostrar todo o seu talento e classe. 

Confrontado com a clássica falta de apoios financeiros (desde sempre o triste fado dos pilotos portugueses), ainda assim Madeira apresentava-se à partida com um projeto que lhe permitiria uma participação condigna, embora talvez aquém das suas (legítimas) ambições. 

A equipa AllStars foi a parceria encontrada e um desatualizado Subaru Impreza a montada possível. 

Concluída a prova, dizer que Madeira e Rodrigues da Silva se superaram é redutor. 

Em memória continua registado, ainda hoje, um andamento fortíssimo ao longo de todo o Rali, sem calculismos nem rendição. 

Os homens do carro n.º 8 entrariam em campo para dar o seu melhor (e o seu melhor era tão bom ou melhor – passe a repetição – que o melhor de alguns dos seus adversários direitos), jogando o jogo pelo jogo

Averbaram quatro estrondosas vitórias em classificativas, alcançadas em exigentes palcos como Fafe ou Arganil

É importante salientar que não se tratou de quatro melhores cronos obtidos de forma circunstancial. 

Foram conseguidos bem antes de a prova estar decidida, com todo o pelotão a dar o melhor de si e vários dos favoritos ainda em ação. 

O resultado final é ilusório.

Um 15.º lugar a mais de trinta minutos do vencedor, fruto de uma saída de estrada na Cabreira (ironicamente, conforme declarações que abaixo publicamos, precisamente a especial onde o piloto de Almada acreditava que o seu carro fizesse a diferença, e logo numa altura em que a dupla nacional seguia em 4.º lugar da geral, lutando ferreamente com os pilotos oficiais pelo lugar mais baixo do pódio, que, diga-se, estava perfeitamente ao seu alcance), embora desapontador não esmorece a soberba exibição dos homens do bonito Subaru branco e azul.

A diáspora internacional de pilotos lusos está repleta até hoje de momentos empolgantes. 

Armindo tem dois títulos de campeão mundial e uma vitória à geral em classificativas de Ralis do WRC. 

Campos somou ao seu palmarés triunfos em provas do europeu da modalidade (algumas delas de enorme prestígio) sagrando-se vice-campeão da competição em 2003, e logrou vencer em diversas ocasiões o agrupamento de produção no Rali de Portugal. 

Borges e Coutinho quando saíram lá para fora, em épocas diferentes, colocaram em plano de evidência as capacidades dos pilotos portugueses. 

Magalhães triunfou em ralis do IRC. 

Sousa saiu vitorioso em refregas no S-WRC. 

António Rodrigues ali para as bandas de Sintra, em 1984, entrou por direito próprio no panteão dos melhores pilotos da história do automobilismo português. 

Moutinho, em 1986, soube com inteligência transformar o infortúnio numa oportunidade. 

Mas de todos estes momentos, talvez a prestação de Madeira e Rodrigues da Silva no Rali de Portugal em 1997, naquilo que estas matérias têm de subjetividade, seja capaz de ser a mais bela página que os Ralis portugueses redigiram ao longo da sua história.

Notas:

Vária da informação presente neste trabalho, assim como a descrição das classificativas realizada pelo Rui Madeira, foi colhida no Guia AIFA publicado como antevisão do Rali de Portugal de 1997. É curioso notar que, neste caso, mais de quinze anos passados, o prazer de reler os AIFA mantem-se inalterado. É o tipo de publicação que, resistindo com classe e sabedoria ao passar do tempo, nos faz apetecer gostar (ainda mais) de Ralis. 

Uma vez mais o nosso agradecimento ao João Costa, pela ajuda decisiva nas infografias dos troços (solo sagrado) que integraram o Rali de Portugal disputado há quinze anos atrás.

 1. INFORMAÇÃO GERAL


Designação oficial: TAP Rallye de Portugal.
Edição da prova: 31.ª.
Data: 22 a 26 de março de 1997.
Piso: Terra.
Número total de classificativas: 31.
Classificativa mais curta: Figueira da Foz (1,50 kms).
Classificativa mais extensa: Vieira / Cabeceiras (27,22 kms).
Classificativa mais rápida: Mortágua 2 (média: 96,70 kms/h).
Classificativa mais lenta: Alvôco das Várzeas (média: 72,28 kms/h).
Número de inscritos: 98.
Número de concorrentes à partida: 98.
Número de concorrentes à chegada: 34 (34,7% dos concorrentes que iniciaram o Rali).
Distância total da prova: 1.679,82 kms.
Distância total dos percursos de ligação: 1.260,04 kms.
Distância total das classificativas do Rali: 419,78 kms.
Pilotos/Navegadores vitoriosos em classificativas: 7.
Pilotos/Navegadores que comandaram o Rali: 3.
Trocas de liderança ao longo do Rali: 6.

 2. ESQUEMA DA PROVA


 1.ª Etapa:  

| Domingo, 23 de março |


15:13   SS1  Figueira da Foz                         1.50 km  

| Segunda-feira, 24 de março |


06:48  SS2  Poiares  8.96 km  
07:55  SS3  Tabua 1  13.67 km  
09:10  SS4  Mortagua 1  17.46 km  
10:18  SS5  Vila Pouca 1  18.76 km  
11:43  SS6  Tabua 2  13.67 km  
12:58  SS7  Mortagua 2  17.46 km  
14:06  SS8  Vila Pouca 2  18.76 km  
15:35  SS9  Oliveira de Frades - Ladario  11.19 km  
16:26  SS10  Sever - Albergaria  14.81 km  
19:36  SS11  Santa Quiteria 1  9.00 km  
20:13  SS12  Fafe - Lameirinha  15.10 km  
20:37  SS13  Luilhas 1  10.48 km  

 2.ª Etapa: 

| Terça-feira, 25 de março |


09:40  SS14  Lousada          3.88 km  
11:50  SS15  Santa Quiteria 2  9.00 km  
12:27  SS16  Fafe - Lameirinha  15.10 km  
12:51  SS17  Luilhas 2  10.48 km  
14:33  SS18  Vieira - Cabeceiras  27.22 km  
15:42  SS19  Viso - Celorico de Basto  12.04 km  
16:12  SS20  Seixoso  7.56 km  
17:36  SS21  Aboboreira  15.81 km  
20:04  SS22  Viseu  22.33 km  

 3.ª Etapa: 

| Quarta-feira, 26 de março |


08:40  SS23  Alvoco das Varzeas               10.38 km  
09:39  SS24  Arganil - Coja 1  20.80 km  
10:27  SS25  Salgueiro - Lomba 1  10.35 km  
11:30  SS26  Gois  11.27 km  
12:22  SS27  Arganil - Coja 2  20.80 km  
13:10  SS28  Salgueiro - Lomba 2  10.35 km  
14:41  SS29  Lousa Relvas  20.35 km  
15:42  SS30  Pedrogao Grande  10.76 km  
16:25  SS31  Figueiro dos Vinhos  10.48 km  

 3. VENCEDORES DAS CLASSIFICATIVAS


- FIGUEIRA DA FOZ - (classificativa cancelada)

- POIARES -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Colin McRae.
- Navegador(es): Nicky Grist.
CARRO(S): Subaru Impreza WRC97.
TEMPO REALIZADO: 6m:43s.
MÉDIA HORÁRIA: 80.04 kms/h.

- TÁBUA 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Kenneth Eriksson.
- Navegador(es): Staffan Parmander.
CARRO(S): Subaru Impreza WRC97.
TEMPO REALIZADO: 8m:52s.
MÉDIA HORÁRIA: 92.50 kms/h.

- MORTÁGUA 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Colin McRae.
- Navegador(es): Nicky Grist.
CARRO(S): Subaru Impreza WRC97.
TEMPO REALIZADO: 10m:52s.
MÉDIA HORÁRIA: 96.40 kms/h.

- VILA POUCA 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Colin McRae.
- Navegador(es): Nicky Grist.
CARRO(S): Subaru Impreza WRC97.
TEMPO REALIZADO: 12m:47s.
MÉDIA HORÁRIA: 88.05 kms/h.

- TÁBUA 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Kenneth Eriksson.
- Navegador(es): Staffan Parmander.
CARRO(S): Subaru Impreza WRC97.
TEMPO REALIZADO: 8m:43s.
MÉDIA HORÁRIA: 94.10 kms/h.

- MORTÁGUA 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 10m:50s.
MÉDIA HORÁRIA: 96.70 kms/h.

- VILA POUCA 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 12m:52s.
MÉDIA HORÁRIA: 87.48 kms/h.

- OLIVEIRA DE FRADES / LADÁRIO -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 8m:28s.
MÉDIA HORÁRIA: 79.30 kms/h.

- SEVER / ALBERGARIA -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 11m:45s.
MÉDIA HORÁRIA: 75.63 kms/h.

- SANTA QUITÉRIA 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Kenneth Eriksson e Freddy Loix.
- Navegador(es): Staffan Parmander e Sven Smeets.
CARRO(S): Subaru Impreza WRC97 e Toyota Celica GT-Four.
TEMPO REALIZADO: 6m:37s.
MÉDIA HORÁRIA: 81.61 kms/h.

- FAFE / LAMEIRINHA 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Kenneth Eriksson.
- Navegador(es): Staffan Parmander.
CARRO(S): Subaru Impreza WRC97.
TEMPO REALIZADO: 10m:35s.
MÉDIA HORÁRIA: 85.61 kms/h.

- LUÍLHAS 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Rui Madeira.
- Navegador(es): Nuno Rodrigues da Silva.
CARRO(S): Subaru Impreza 555.
TEMPO REALIZADO: 8m:03s.
MÉDIA HORÁRIA: 78.11 kms/h.

- LOUSADA -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen e Armin Schwarz.
- Navegador(es): Seppo Harjanne e Denis Giraudet.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV e Ford Escort WRC.
TEMPO REALIZADO: 3m:11s.
MÉDIA HORÁRIA: 73.13 kms/h.

- SANTA QUITÉRIA 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 6m:18s.
MÉDIA HORÁRIA: 85.71 kms/h.

- FAFE / LAMEIRINHA 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 10m:16s.
MÉDIA HORÁRIA: 88.25 kms/h.

- LUÍLHAS 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 7m:54s.
MÉDIA HORÁRIA: 79.59 kms/h.

- VIEIRA / CABECEIRAS -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 18m:23s.
MÉDIA HORÁRIA: 88.84 kms/h.

- VISO / CELORICO DE BASTO -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 7m:41s.
MÉDIA HORÁRIA: 94.02 kms/h.

- SEIXOSO -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 5m:27s.
MÉDIA HORÁRIA: 83.23 kms/h.

- ABOBOREIRA -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 10m:39s.
MÉDIA HORÁRIA: 89.07 kms/h.

- VISEU -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 14m:46s.
MÉDIA HORÁRIA: 90.73 kms/h.

- ALVÔCO DAS VÁRZEAS -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen e Rui Madeira.
- Navegador(es): Seppo Harjanne e Nuno Rodrigues da Silva.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV e Subaru Impreza 555.
TEMPO REALIZADO: 8m:37s.
MÉDIA HORÁRIA: 72.28 kms/h.

- ARGANIL / COJA 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 13m:47s.
MÉDIA HORÁRIA: 90.54 kms/h.

- SALGUEIRO / LOMBA 1 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 7m:12s.
MÉDIA HORÁRIA: 86.25 kms/h.

- GÓIS -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Rui Madeira.
- Navegador(es): Nuno Rodrigues da Silva.
CARRO(S): Subaru Impreza 555.
TEMPO REALIZADO: 8m:41s.
MÉDIA HORÁRIA: 77.87 kms/h.

- ARGANIL / COJA 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 13m:48s.
MÉDIA HORÁRIA: 90.43 kms/h.

- SALGUEIRO / LOMBA 2 -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Rui Madeira.
- Navegador(es): Nuno Rodrigues da Silva.
CARRO(S): Subaru Impreza 555.
TEMPO REALIZADO: 7m:14s.
MÉDIA HORÁRIA: 85.85 kms/h.
  
- LOUSÃ / RELVAS -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 15m:09s.
MÉDIA HORÁRIA: 80.59 kms/h.

- PEDRÓGÃO GRANDE -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Tommi Makinen.
- Navegador(es): Seppo Harjanne.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo IV.
TEMPO REALIZADO: 7m:17s.
MÉDIA HORÁRIA: 88.64 kms/h.

- FIGUEIRÓ DOS VINHOS -
VENCEDORES:
- Piloto(s): Gustavo Trelles.
- Navegador(es): Jorge del Buono.
CARRO(S): Mitsubishi Lancer Evo III (grupo ‘N’).
TEMPO REALIZADO: 8m:24s.
MÉDIA HORÁRIA: 74.86 kms/h.

 4. INFOGRAFIAS

 PARQUE FECHADO (FIG.ª DA FOZ) 


Visualizar PARQUE FECHADO (Fig.ª da Foz), 1997 em um mapa maior


 FIGUEIRA DA FOZ 

Rui Madeira:
"Deverá ser uma classificativa com muito público. Pelo que conheço da zona, quando era disputado em sentido inverso, trata-se de um troço muito veloz, que nada tem a ver em termos de afinação do carro, com as restantes provas do rali, já que é disputado em asfalto."


Visualizar FIGUEIRA DA FOZ, 1997 em um mapa maior

 POIARES 

Rui Madeira:
"É rápida e larga de início até entrar no cruzamento à direita. A partir daí, torna-se sinuosa, estreita e escorregadia, principalmente por ser disputada de madrugada. Não é um troço particularmente do meu agrado, mas é importante pois deve-se começar desde logo a entrar no ritmo certo."


Visualizar POIARES, 97 em um mapa maior


 TÁBUA 

Rui Madeira:
"É talvez a classificativa «artificial» mais bonita e competitiva. Requer muita condução, com várias mudanças de ritmo, iniciando-se com uma zona rápida, ao melhor estilo dos Mil Lagos, passando por uma parte mais lenta e acabando de novo numa zona muito veloz, com saltos e um cruzamento que recomendo."



Visualizar TÁBUA/1997 em um mapa maior

 MORTÁGUA 

Rui Madeira:
"Uma especial muito parecida às classificativas do Rali da Austrália, devido ao facto de ser disputada sempre entre eucaliptos, com zonas muito idênticas que acabam por dificultar o acerto das notas. A primeira classificativa onde se vão notar diferenças de tempo significativas. Nos troços da zona de Mortágua, o piso pode degradar-se na segunda passagem."



Visualizar MORTÁGUA/97 em um mapa maior


 VILA POUCA 

Rui Madeira:
"Muito semelhante a Mortágua, mas mais interessante por ter uma parte sem árvores, onde se pode desfrutar da beleza da paisagem. É um troço que me deixou boas recordações o ano passado, pois foi nele que assumi, de forma definitiva, o comando do TAP - Rali de Portugal. Como comprovou Loix em 1996, é também um troço em que é fácil furar." 



Visualizar VILA POUCA, 1997 em um mapa maior

 OLIVEIRA DE FRADES / LADÁRIO 

Rui Madeira:
"Uma das classificativas mais bonitas do rali. Um troço de «verdade», ao bom estilo dos ralis portugueses. O único senão é o facto de ser curto e o prazer acabar depressa!"



Visualizar OLIVEIRA DE FRADES / LADÁRIO, 1997 em um mapa maior

 SEVER / ALBERGARIA 

Rui Madeira:
"Começa numa zona demasiado lenta, que bem podia ser sacrificada. Depois do primeiro gancho à esquerda (muito apertado), o troço desenrola-se com curvas médias e rápidas, algumas delas muito longas. A parte-final, é super-rápida, numa zona descampada, que requer especial atenção."



Visualizar SEVER / ALBERGARIA, 1997 em um mapa maior

 SANTA QUITÉRIA 

Rui Madeira:
"Na zona de Felgueiras, o meu amigo arquitecto Jordão desenhou um dos troços mais bonitos da zona norte. De fácil aceso para o público, excepção feita ao final, treina-se sem problemas e oferece um grande prazer de pilotagem, principalmente na grande descida."



Visualizar SANTA QUITÉRIA, 1997 em um 
mapa maior

 FAFE / LAMEIRINHA 


Rui Madeira:
"Um clássico do TAP - Rali de Portugal, mundialmente conhecido pelos seus saltos e a famosa passagem terra-asfalto-terra, sempre do agrado dos cameraman. Mas é um troço que começava a cansar. Precisava de mudar e o facto de ser disputado à noite na primeira etapa é já uma novidade... que requer atenção redobrada, pois as referências são outras."



Visualizar FAFE / LAMEIRINHA, 1997 em um mapa maior

 LUÍLHAS 

Rui Madeira:
"Troço totalmente artificial, onde a atenção em relação à passagem de noite se deve reforçar devido aos muitos trilhos existentes, aos quais não se pode fugir, sob pena de facilmente se errar. É uma especial onde a equipa deve estar 100 por cento concentrada."



Visualizar LUÍLHAS / 1997 em um mapa maior

 LOUSADA 

Rui Madeira:
"Uma classificativa espectáculo onde os melhoramentos efectuados vão por certo reforçar o show que os pilotos oferecem aos milhares de espectadores que aí sempre se deslocam. Uma superespecial de referência ao nível do Mundial de Ralis."



Visualizar LOUSADA, 1997 em um mapa maior

 VIEIRA / CABECEIRAS 

Rui Madeira:
"Deverá ser a classificativa mais dura para as mecânicas e onde os Subaru podem ter vantagem. É um troço clássico, que traz de volta algumas das características da antiga Cabreira, sendo uma soma das melhores partes das classificativas traçadas anteriormente nessa serra."



Visualizar Vieira / Cabeceiras, 1997 em um mapa maior

 VISO / CELORICO DE BASTO 

Rui Madeira:
"Outro dos troços do meu (grande) agrado! É bastante rápido e trabalhoso em termos de condução, sendo a classificativa portuguesa que mais se pode comparar com as utilizadas no Rali dos Mil Lagos. Por isso mesmo, está tudo dito!..."



Visualizar VISO / CELORICO, 1997 em um mapa maior

 SEIXOSO 

Rui Madeira:
"Outra classificativa espectáculo que possui o famoso charco de água, ideal para uma boa fotografia. Mas se quiser evitar a confusão e apesar de ser um troço curto, aconselho a parte final, a descer."



Visualizar Seixoso / 1997 em um mapa maior

 ABOBOREIRA 

Rui Madeira:
"Outro clássico do TAP - Rali de Portugal que ficou ainda mais interessante depois de grande parte da subida ter sido abolida. A zona do planalto é muito rápida e aconselho uma «visita». Para nós, pilotos, é uma delícia... a não ser que haja muito nevoeiro. Aí, conta muito o acerto das notas de andamento."



Visualizar Aboboreira, 1997 em um mapa maior

 VISEU 

Rui Madeira:
"Segunda classificativa mais bonita de Portugal, a seguir a Góis, em que o meu melhor tempo de 96, ficou muito perto dos pilotos oficiais. Um troço referência para os ralis - é rápido, mas não é perigoso, isto apesar de, muitas vezes, os espectadores não se comportarem da melhor maneira. Espero que este ano essas situações não se repitam."



Visualizar Viseu, 1997 em um mapa maior


 ALVÔCO DAS VÁRZEAS 

Rui Madeira:
"Apesar de se realizar em terrenos familiares, pois a minha família é originária de Oliveira do Hospital, não me agrada particularmente. É muito lento na parte inicial e final, para além de ser o início da etapa mais difícil e decisiva."



Visualizar Alvôco das Várzeas, 1997 em um mapa maior

 ARGANIL / COJA 

Rui Madeira:
"Chegámos a zona de Arganil com tudo o que isso significa para os ralis portugueses. Mais um troço clássico, de há dois anos a esta parte, com uma zona inicial deveras aliciante (mas que requer cuidados), para depois entroncar na tradicional descida do Alqueve. Só o final e principalmente se estiver com muita lama, é que não me agrada particularmente."



Visualizar Arganil / Coja, 1997 em um mapa maior

 SALGUEIRO / LOMBA 

Rui Madeira:
"Felizmente que este ano se inicia no Salgueiro abolindo os dois quilómetros de asfalto, perigosos e sem sentido. Agora, tudo começa na subida após esta povoação, mas a parte mais interessante começa após o cruzamento de Selada das Eiras, sem dúvida o local de Arganil com mais público nessa manhã. A zona do planalto é extremamente rápida e acaba com uma zona de ganchos, a descer."



Visualizar Salgueiro / Lomba, 1997 em um mapa maior

 GÓIS 

Rui Madeira:
"Aqui estou nas nuvens!!! O troço é simplesmente uma delícia. Venha ver os pilotos em longas derrapagens, principalmente na subida até ao cruzamento. Por certo vou encontrar na simpática povoação do Sobral a dona Conceição, que no ano passado chegou a treinar comigo... apesar dos seus quase 70 anos. É que como boa beirã, nada lhe mete medo!"



Visualizar Góis, 97 em um mapa maior

 LOUSÃ / RELVAS 

Rui Madeira:
"Se aqui chegar, dificilmente não estarei no pódio final, na Figueira da Foz. Outro «santuário» do TAP - Rali de Portugal, que tem início na muito conhecida subida de Cacilhas, com curvas espectaculares em piso de macadame. A parte final permite uma boa visibilidade para os espectadores, pena é que o piso costuma estar algo degradado."



Visualizar LOUSÃ / RELVAS, 1997 em um mapa maior

 PEDRÓGÃO GRANDE 

Rui Madeira:
"Ainda não tive o privilégio de conhecer aquele que é um dos troços novos desta edição. Pelo que fui informado, tem uma zona final super-veloz, com saltos, onde convém, antes de tudo, acertar na estrada!!!"



Visualizar PEDRÓGÃO GRANDE, 1997 em um mapa maior

 FIGUEIRÓ DOS VINHOS 

Rui Madeira:
"Também não conheço, pois estou impedido de treinar antes da altura destinada aos reconhecimentos oficiais. Contudo, o difícil será fazer algo menos interessante que o troço utilizado o ano passado, apesar de este estar para sempre na minha memória - foi aí que vi confirmada a vitória no TAP - Rali de Portugal/96".


  
Visualizar FIGUEIRÓ DOS VINHOS, 1997 em um mapa maior

 5. CLASSIFICAÇÃO FINAL

1.º - Makinen / Harjanne (Mitsubishi Lancer Evo IV): 4h:53m:01s;
2.º - Loix / Smeets (Toyota Celica GT-Four): + 4m:05s;
3.º - Schwarz / Giraudet (Ford Escort WRC): + 6m:33s;
4.º - Mevius / Fortin (Ford Escort WRC): + 12m:28s;
5.º - Richelmi / Barjou (Ford Escort RS Cosworth): + 17m:16s;
6.º - Kamioka / Gormley (Subaru Impreza 555): + 17m:39s;
7.º - Trelles / Buono (Mitsubishi Lancer Evo III): + 17m:53s;
8.º - Stohl / Muller (Mitsubishi Lancer Evo III): + 18m:03s;
9.º - McRae / Senior (Volkswagen Golf GTi 16v): + 19m:53s;
10.º - Lopes / Lisboa (Peugeot 306 Maxi): + 20m:41s;
11.º - Weber / Hiemer (Seat Ibiza GTi 16v): + 25m:00s;
12.º - Sufan / Christie (Toyota Celica GT Four): + 25m:11s;
13.º - Climent / Romani (Mitsubishi Lancer Evo III): + 25m:28s;
14.º - Sibera / Gross (Skoda Felicia Kit-Car): + 28m:36s;
15.º - Madeira / Silva (Subaru Impreza 555): + 32m:58s;
16.º - Gottlicher / Heider (Mitsubishi Lancer Evo III): + 37m:06s;
17.º - Dor / Breton (Subaru Impreza 555): + 42m:59s;
18.º - Franco / Mourão (Ford Escort RS Cosworth): + 1h:03m:31s;
19.º - Marques / Ferreira (Subaru Impreza): + 1h:08m:39s;
20.º - Coupe / Watson (Ford Escort RS Cosworth): + 1h:12m:45s;
21.º - Pereira / Pereira (Toyota Celica Turbo 4WD): + 1h:16m:16s;
22.º - Magalhães / Luís (Ford Escort RS Cosworth): + 1h:16m:54s;
23.º - Pascoal / Costa (Seat Ibiza GTi 16 v): + 1h:23m:24s;
24.º - Tristão / Passos (Ford Escort RS Cosworth): + 1h:27m:01s;
25.º - Fabre / Boyer (Peugeot 106): + 1h:38m:03s;
26.º - Mayr / Mayr (Opel Astra): + 1h:39m:08s;
27.º - Vacheron / Schaad (Mazda 323): + 1h:39m:31s;
28.º - Araújo / Araújo (Nissan Micra): + 1h:40m:12s;
29.º - Miranda / Costa (Renault Clio Williams): + 1h:42m:21s;
30.º - Silva / Machado (Peugeot 106): + 2h:03:28s;
31.º - Viegas / Azevedo (Peugeot 106): + 2h:21:10s;
32.º - Carlos / Jorge (Nissan Micra): + 2h:27m:21s;
33.º - Santos / Santos (Renault 4 GTL): + 2h:59m:25s;
34.º - Pinto / Cavaleiro (Seat Marbella GL): + 3h:07m:41s.


 6. IMAGENS


























A FOTO PRESENTE NESTE TRABALHO FOI OBTIDA EM:

- http://restosdecoleccao.blogspot.pt/2011/03/rallye-internacional-tap.html


Comentários